domingo, 15 de julho de 2018

Adoração como Estilo de Vida

Você já reparou como muitas vezes nos preocupamos de maneira exagerada com nossa aparência ou desempenho? Essa preocupação pode acontecer com qualquer pessoa, de forma consciente ou não. Esse sentimento se torna tão maléfico, que acaba se estendendo até mesmo para o ambiente da igreja. Ex: irmão (ã) cantando na igreja mostrando suas habilidades vocais ou até mesmo pessoas que acham que adoração acontece somente quando elas estão dentro da igreja. Mas o curioso disso tudo é que, quando nos voltamos para a Bíblia e buscamos estudar sobre o que é louvor e adoração, encontramos vários textos que dizem o contrário, como, por exemplo, Jeremias 7.1-15. Nesse texto, a palavra ‘adoração’ significava inclinar-se ou prostrar-se. A expressão ‘adorar’ nesse texto é tão importante que aparece três vezes nos versículos 2, 6, 9 e 12. Por isso, diante de tamanha explicação sobre a adoração, quero trazer algumas implicações que irão nos ensinar sobre a adoração como estilo de vida e como Deus deseja que nos portemos diante das pessoas.
A primeira implicação que chama atenção é que a adoração traz mudança de vida. Nos versos 3 a 5, Deus usa Jeremias para dizer ao povo para endireitar os seus caminhos, ou seja, “mudem de Vida”. Deus diz que, se eles mudarem, Ele irá morar com eles no templo. As palavras no versiculo 4 “este é o Templo do Senhor”, em si, eram verdadeiras. O problema era que elas levavam a uma falsa segurança, pois as pessoas pensavam que o Templo funcionaria como um tipo de amuleto, ou seja, Deus nunca permitiria que Seu Templo fosse destruído, e devido a isso eles achavam que não receberiam consequências, mesmo pecando, por causa do templo. O desejo claro de Deus nessa primeira parte do texto era mostrar que a prática da adoração em nossa vida deve ser estendida para nosso comportamento. O propósito do nosso Senhor é que não vivamos uma vida na igreja e outra fora da dela.
A segunda aplicação que podemos trazer sobre a adoração como estilo de vida é que ela traz o abandono da injustiça e idolatria. Percebe-se claramente que o profeta Jeremias diz, nos versos 5b a 10, que o povo de Israel estava prejudicando, exercendo força e estorquindo algumas pessoas. Alguns chegaram ao ponto de ficar tão alcoolizados que mataram pessoas. Deus estava farto dessas abominações do Seu povo.
Isso também nos ensina que a busca pela presença de Deus traz mudanças significativas em nossa vida. A adoração é o encontro do Criador com a criatura. Quando adoramos a Deus de verdade, as mentiras da nossa vida vão caindo. E atitudes como: prejudicar o outro em benefício próprio, murmurar falando mal da igreja, do pastor, das autoridades; furar fila, pegar um troco desonesto, agir com trapaça, tratar mal o próximo; idolatrar dinheiro, bens, status, tv ou internet; vão sendo abandonadas.
E, por fim, Jeremias 7.11-15 nos ensina que a adoração não é lugar de proteção. Novamente, o profeta Jeremias é usado por Deus para transmitir uma mensagem bem clara para o povo: Deus não vai livrar o Seu povo do mal por causa do templo. O povo de Israel estava achando que, enquanto eles estivessem no templo (lugar de adoração), estariam seguros de todo mal, mesmo que estivessem pecando contra Deus. Portanto o templo, um lugar na presença de Deus e onde as pessoas adoravam ao Senhor, se tornou um lugar de falsa de proteção. A religiosidade e o sentimento de proteção é que faziam o povo de Israel ir até o templo, e não a busca pela presença de Deus.
Mais uma vez, Jeremias nos ensina algo: a adoração não deve ser um culto divorciado da vida cotidiana, pois isso não agrada a Deus. Culto sem conexão com a vida diária é entretenimento espiritual. O apóstolo Paulo diz que o culto racional não é apenas um tempo de cântico que temos na igreja, mas a oferta do nosso corpo a Deus na dinâmica da vida (Romanos 12.1). O profeta denunciou o perigo de uma reforma externa sem uma transformação interna e da falsa confiança no templo, no culto e na liturgia.
Ao refletir nessa mensagem, não há como chegar à outra conclusão senão esta: a adoração não está vinculada somente ao culto ou participação do mesmo, mas a uma vida de total mudança e entrega a Deus. E, como consequência dessa atitude, o (a) adorador (a) não terá preocupação com a aparência em relação ao outro, mas, sim, em prestar uma adoração a Deus como deve ser feita, que é com sua própria vida.
:: Pr. Bruno Bacelar 
Fonte:https://www.lagoinha.com/ibl-vida-crista/adoracao-como-estilo-de-vida/

sábado, 16 de junho de 2018

Bíblia O Livro dos Livros...

A Bíblia é o livro mais importante da história da humanidade. Inspirado por Deus, escrito por homens santos de Deus, concebido no céu, nascido na terra e farol para os homens na história. A Bíblia é a biblioteca do Espírito Santo. Seu conteúdo foi revelado por Deus. Sua mensagem é inspirada por Deus. A Bíblia é inerrante, infalível e suficiente. É inerrante quanto ao seu conteúdo. É infalível quanto às suas profecias. É suficiente quanto ao seu propósito. A Bíblia é a Palavra de Deus. É verdadeira, viva e eficaz. Ela não pode falhar. É luz para o errante. É pão para o faminto. É leite para os neófitos e carne para os amadurecidos na fé. A Bíblia é arma de ataque e escudo de defesa. Ela é a espada do Espírito. Ela penetra as regiões abissais da nossa alma. Discerne as profundezas do nosso coração. Quando a examinamos, ela nos investiga. Quando dela nos alimentamos, ela nos fortalece. Quando a resistimos, como martelo, ela nos debulha. Ela é mais doce do que o mel e mais preciosa do que muito ouro depurado. Nela temos todo o nosso prazer. Ouvi-la é ser bem-aventurado. Meditar nela é nosso maior deleite. Praticá-la é nosso sublime dever. Proclamá-la é nossa mais elevada responsabilidade.

A Bíblia é o livro dos livros, porque, inobstante ter sido perseguida com fúria indomável ao longo dos séculos, tem saído vitoriosa de todos esses embates. Foi atacada pela fogueira da intolerância, mas saiu incólume das chamas. Foi perseguida pelos falsos mestres, que tentaram e tentam desacreditar sua mensagem, mas a voz dos críticos cai em descrédito, e a mensagem da Bíblia sobranceira e vitoriosa avança em sua triunfante jornada. Tem sido escarnecida pelos homens besuntados de soberba, que tentam ridicularizar os gloriosos feitos de Deus, a história da redenção e os milagres operados pela mão do Todo-poderoso, mas a Palavra de Deus, impávida e de fronte erguida, desfralda seu estandarte e permanece intocável, invencível, incontroversa e invicta em todas as batalhas.

A Bíblia é o livro mais distribuído na história da humanidade. Já passam de quatro bilhões de exemplares impressos. É o livro mais lido e mais amado, muito embora seja, também, o livro mais odiado e perseguido. A Bíblia é o livro que mais tem influenciado a história das civilizações. As grandes mudanças e transformações da sociedade, arrancando os homens das profundezas da ignorância, do abominável preconceito de cor, de raça e de condição social, são resultado da influência da Palavra de Deus. A Palavra de Deus é luz que espanca as trevas. Onde sua mensagem chega, chega também a liberdade. Por isso o Senhor Jesus diz: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8.32).
A Bíblia não precisa de atualização. Mesmo sendo escrita num período de mais de mil anos, por homens de vários estofos culturais e intelectuais e de diferentes matizes sociais, possui plena harmonia. Temos nela unidade na diversidade. Suas centenas de profecias cumpriram-se e estão se cumprindo com rigor absoluto. Sua mensagem é transformadora e irresistível. Cativos têm sido libertos. Cegos espirituais têm visto o reino de Deus. Bêbedos e drogados têm sido transformados e vivido de forma sóbria. Assassinos e pervertidos têm sido regenerados para uma nova vida de amor e pureza. Oh, a Palavra de Deus fala por si mesma, pois tem vida em si mesma. Ela tem quebrado grilhões. Tem arrebentado grossas correntes de vícios. Tem arrancado dos porões da iniquidade e dos esgotos fétidos da corrupção homens e mulheres, oferecendo-lhes a graça de Deus e a salvação em Cristo Jesus. Ele é o centro da Bíblia. Para Ele o Antigo Testamento apontou. Dele o Novo Testamento falou. Para Ele devemos nos voltar com o coração arrependido, a fim de encontramos copiosa redenção.
:: Hernandes Dias Lopes
Fonte:https://www.lagoinha.com/ibl-vida-crista/biblia-o-livro-dos-livros/

Porque o meu Poder se aperfeiçoa na fraqueza

Ao longo da nossa jornada cristã, vivemos experiências que nos marcam. Dentre elas, existem algumas que são amargas como o fel, e as temos como negativas, principalmente quando se trata daquelas relacionadas à prática de pecados. Em relação a esse tipo de experiência, é ruim demais quando ela acontece na vida da gente, nos sentimos fracos na fé e, às vezes, nos vemos tão culpados, que ficamos com vergonha de estar diante de Deus; deixamos de orar, ler a bíblia e cantar louvores, pois nos percebemos tão sujos e indignos, que, se ousássemos praticar tais ações, a nossa consciência, cheia de culpa, logo nos acusaria de hipócritas.
Diante disso, é importante sabermos o que Deus pensa a respeito dessa condição. Em 2 Coríntios 12.9, encontramos uma resposta a isso: “A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Com isso, entendemos que Deus não quer que nos distanciemos Dele quando pecamos. Muito pelo contrário, Ele quer que nos acheguemos para sermos redimidos dos nossos pecados por meio do sangue de Jesus. A afirmação é muito clara: a graça de Deus nos basta, ela é suficiente para a consumação do nosso perdão.
Acredito que uma das melhores sensações de alívio e preenchimento de alma em nós ocorre quando nos vemos assim: nos sentindo sujos, indignos, maltrapilhos e hipócritas, e desse modo nos achegamos a Deus em busca de reconciliação, e o Aba vem como o pai do filho pródigo, nos confortando e consolando. É uma experiência maravilhosa que só quem viveu entende. O perdão dado por Deus vem como um remédio capaz de curar o câncer que dilacerou a alma de um ser. A sensação de alívio e paz interior é indescritível; muitas vezes, causa uma emoção tão profunda em nós, que choramos feito crianças. E, quando saímos dessa situação desagradável de culpa, nos sentimos mais fortes. Daí vemos que o texto de 2 Coríntios faz todo sentido. O poder de Deus se aperfeiçoa na nossa fraqueza.
Não sei se é teologicamente correto falar assim, mas às vezes essas situações são válidas para nos tornar humildes e, por isso, mais fortes, pois muitas vezes julgamos demais o nosso próximo quando ele cai, nos achamos tão super crentes, que nos colocamos no lugar de Deus ao querermos julgar o irmão. Entendo que essa experiência é muito oportuna para refletirmos um pouco sobre perdão, tolerância para com o próximo, compaixão e humildade.
Perdão, para entendermos que, assim como Deus nos perdoou, de igual modo devemos agir para com os nossos semelhantes; tolerância, para desenvolvermos a percepção de que cada ser humano tem uma história que lhe conferiu características peculiares, que devem ser respeitadas e compreendidas; compaixão e humildade, para que possamos instruir em amor o irmão que pecou e pedir a Deus misericórdia, pois a nossa natureza humana nos deixa na iminência de pecarmos constantemente.
Ditas essas palavras, quero finalizar deixando aqui uma citação que me inspirou a escrevê-las. É um trecho da canção “Sempre tem uma assim”, da banda Resgate: “Quando eu olho a alma, onde estão os Teus sinais? O amor
chegou mais certo que a minha fuga. Se eu Te sinto, não há nada que eu precise mais. O perdão chegou mais cedo que a minha culpa”.

Chamo atenção para a última frase: “O perdão chegou mais cedo que a minha culpa”. Desejo que você, meu irmão, tenha esta percepção sempre, em nome de Jesus e pelo bem da sua alma: Jesus, ao morrer na cruz, levou sobre Si todo o pecado do mundo, e, por meio desse ato, temos o perdão de Deus garantido quando o solicitamos em nome de Jesus, ou seja, o perdão sempre pode chegar mais cedo que a culpa, só depende de você.
“A graça do Senhor Jesus seja com todos” (Apocalipse 22.21).
:: Wilkyson de Oliveira
Fonte: https://www.lagoinha.com/ibl-vida-crista/porque-o-meu-poder-se-aperfeicoa-na-fraqueza/

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Há um Clamor pelas Nações...







Muito tempo depois, morreu o rei do Egito. Os israelitas gemiam e clamavam debaixo da escravidão; e o seu clamor subiu até Deus. 


Então vocês clamarão a mim, virão orar a mim, e eu os ouvi­rei. Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração. 


Que a minha oração chegue diante de ti;
inclina os teus ouvidos ao meu clamor. 

domingo, 20 de maio de 2018

OREMOS PELA IGREJA DE CRISTO NA TERRA...

“(…) Chamaram os apóstolos e mandaram açoitá-los. Depois, ordenaram-lhes que não falassem em nome de Jesus e os deixaram sair em liberdade. Os apóstolos saíram do Sinédrio, alegres por terem sido considerados dignos de serem humilhados por causa do Nome. Todos os dias, no templo e de casa em casa, não deixavam de ensinar e proclamar que Jesus é o Cristo”(Atos 5.40-42).
Mais de 215 milhões de cristãos são perseguidos ao redor do mundo, segundo a missão Portas Abertas. Países como Coréia do Norte, Afeganistão, Somália, Sudão, Paquistão e Eritreia estão entre os países onde os discípulos sofrem maior perseguição. Esses nossos irmãos têm sofrido por causa do Evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo. São levados para prisões, perseguidos pelo governo ou outros grupos religiosos; são torturados e não podem declarar publicamente sua fé. E o que nós temos feito por eles?
Temos uma arma poderosa que é a oração. Ela atravessa continentes, por meio do Espírito Santo, e chega aos corações que vivem nos lugares mais remotos da terra. Se não podemos estar com eles diretamente, estejamos conectados por meio da oração. A dor deles tem que ser a nossa dor. “Lembrem-se dos que estão na prisão, como se aprisionados com eles; dos que estão sendo maltratados, como se fossem vocês mesmos que o estivessem sofrendo no corpo” (Hebreus 13.3).
Disponha-se a passar tempo com Deus pela Igreja Perseguida ao redor do mundo. Precisamos, sim, diariamente, clamar para que eles sejam fortalecidos pelo Espírito Santo. Para que eles perseverem até o fim e não neguem o nome de Cristo, para que o amor e a graça de Jesus os encham, para que sejam consolados em meio à dor e para que, com coragem e ousadia, anunciem a Palavra de Deus. Oremos para que a vontade de Deus se cumpra em suas vidas e para que nunca haja nenhuma raiz de amargura contra seus inimigos, mas que sempre os perdoem.

As suas famílias também devem ser o motivo de nossas orações, já que também sofrem quando nossos irmãos são presos. Filhos, por exemplo, ficam distantes dos pais, caso esses sejam presos por causa do Evangelho. Ou esposas podem sofrer abusos sexuais de perseguidores. Diante desse quadro, como podemos esquecê-los? Oremos por suas vidas intensamente!
Ore também pelas autoridades desses países, para que seus corações sejam convertidos. Ore para que as leis que proíbem a pregação sejam removidas. Ore para que haja paz e liberdade, e que as portas se abram para o anúncio da mensagem das Boas Novas. Nunca deixe de orar por eles!
Confira abaixo o mapa com os 50 países onde os cristãos mais sofrem perseguição. Você pode orar por um país por dia e avançar pelo Reino de Deus ajudando a igreja que sofre.
Foto: Portas Abertas / www.portasabertas.org.br
Foto: Portas Abertas / www.portasabertas.org.br
:: Raquel Carsi dayanecristina
Fonte: https://www.lagoinha.com/ibl-vida-crista/ore-pela-igreja-perseguida-2/

Adoração como Estilo de Vida

Você já reparou como muitas vezes nos preocupamos de maneira exagerada com nossa aparência ou desempenho? Essa preocupação pode acontecer c...